quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Ciclo

Às vezes dói como uma queimadura de fogo. Às vezes lembra um doce, um instante feliz. Tem vez que começa cítrico e com o tempo torna-se suave, ou vice e versa. Mas a regra é sempre morrer e renascer. Um mundo todo se inicia com palavras agradáveis aos ouvidos de quem ouve e na mente mirabolante, histórias são criadas com um enredo completo de ponta a ponta. Tudo pode até ser sincero... e difícil por ser só naquele instante. As palavras voam assim como o vento e fica só solidão, criada pelo nosso coração. Não é culpa de ninguém se não apenas nossa sentir qualquer frêmito no peito. Cada pedaço de chão começa a se dissipar e tudo vira imensidão. O que fica é aquela saudade desgostosa e frustrada andando aos quatro cantos. O que fica são as expectativas, apenas. O que fica são lembranças que cutucam nosso peito, enlouquecem nossa mente. O que fica são as vontades, que nos empurram para frente. Para a morte. E o recomeço outra vez.

Um comentário:

  1. Nossa Jubli, você é mesmo minha extensão, minha conexão. Minha Plug. Escreves como se escrevestes por mim. Sinto cada palavra e escreve e sinto assim. "O que fica é aquela saudade desgostosa e frustrada andando aos quatro cantos. O que fica são as expectativas, apenas. O que fica são lembranças que cutucam nosso peito, enlouquecem nossa mente. O que fica são as vontades, que nos empurram para frente. Para a morte. E o recomeço outra vez."

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar um pouco de si por aqui!