quinta-feira, 7 de abril de 2011

Feitiço

Ele é galanteador. Mexe com meu sorriso, aquele mais escondido. Às vezes chega a dar uma coceira danada na pontinha do estômago. Que delícia é sentir sua pele encostada na minha. Gosto mesmo é de sentir as bochechas grudadinhas, calor de um amor recém nascido. Ainda que o tempo passe, que eu aprenda seu jeito e todos os seus trejeitos, consegue me fazer boquiaberta. Presenteia-me só com sua presença, me faz criança, coisa de gente apaixonada. É fácil saber que sou toda dele, olho pro seu rosto e imagino o horizonte florescendo da manhã ao fim de tarde. Me faz viajar sem sair do lugar e mesmo que inconsciente, eu sei que já sou toda amor. Caio, ralo o joelho, sujo toda a botina e levanto mais uma vez. Choro pedindo colo e lá está ele todo pronto a me envolver. Canta com sua voz de poesia, faz de sua música o perfume de versos enfeitiçados. Aliás, que poesia o seu olhar! Mexe comigo e sabe o que faz, com um beijo na nuca me ganha, me faz mulher. Prazer, encanto!

2 comentários:

  1. Fico pensando, o quão inspirada você teve que estar para poder escrever. Até eu senti o texto em mim hoje. Acho que é como eu disse, de certa forma você tem o poder de conversar com quem lê, da forma que você escreve.
    =)

    ResponderExcluir
  2. É minha garota, são mesmo coisas que só se explica com sinestesias, porque é algo mesmo intangível para a realidade verbal. "... sua música o perfume de versos enfeitiçados"

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar um pouco de si por aqui!