domingo, 1 de julho de 2012

A flauta que sabia assobiar


É ela.
A flauta doce que ninguém espera.
Sai de mansinho pela janela do prédio,
E toma posse do ar com a sedução de suas notas.
Adoça.
O mistério da noite,
O olhar da mocinha que passa.
Que suspira.
Quando descobre que até na cidade grande
Passarinho também pode cantar.
Que o cinza também tem sua nuance.
E que o músico é sortudo por saber assobiar.
A música.
Que toca as cordas do coração,
E faz de cada palavra, sabor dos ouvidos.
O som.
Que faz a respiração ter hora para acontecer.
E apresenta sentimentos mais vivos e fortes que nunca.
Que toca o corpo de jovens amantes,
Que desligam os carros,
Só para ouvir o amor escrito nas notas de uma melodia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por deixar um pouco de si por aqui!