quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Taí


Amar é uma coisa pra gente doida. Que se abre, se entrega, se doa, mesmo sabendo que o risco é alto de se apaixonar. De se machucar. Às vezes me pego toda boba, amando o passado. Às vezes me espanto, com o amor que aflora em minha essência logo no amanhecer do dia. Às vezes, um simples sorriso já me quebra as pernas e eu sento pra respirar. É, na grande maioria dos casos, eu suspiro de olhos fechados. Tomo meu tempo, vou contra o vento só para o coração não ficar batendo à toa. Mas é tudo uma pequena sacanagem que acostumo meu corpo, para ele pulsar mais devagar. Num ritmo menos frenético, mais orgânico. Afinal, até o que é pleno, até a paixão, mesmo as cicatrizes que sangram uma gota todo dia. Tudo, completamente tudo na vida passará.

É uma dança bonita, um mistério cítrico que arde a pele em contato. Que morre e renasce incessantemente, como uma fênix no auge de sua existência. Tai uma vantagem que nasce só pra quem sorri para o alto, abre os braços e não espera nada dela.

Da vida.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Não me tenha.


Sinta.
Repare como nunca te deixei, mesmo você querendo. Mas veja também que nunca tive você. Porque pessoas não são coisas, oras. Muito menos objeto de posse. Se um dia aconteceu história foi pela conquista. Isso sim é do ser humano. União, emoção, olhar, sentimento, razão de viver. Você pode pensar em vários nomes, mas todos os títulos descrevem o mesmo texto: pessoas precisam de pessoas pra viver. Óbvio.

Falta.
Não tem jeito, em algum momento da sua vida ela será sua namorada. Enamorando suas lágrimas, suas batidas do coração, sua pulsação forte quando descobre que sua antiga companheira (esperança, conhece?) foi encontrar poesia em outros corações e lhe deixou simplesmente com uma mão no peito e outra...no pensamento.

Correnteza.
É a vida. Que passa e te leva para águas que deságuam do outro lado do seu fluxo, embaralhando seus principais sonhos com outros melhores ainda. Mas tudo é temporário mesmo e não volta atrás.

(...)

Que jeito tem se não continuar?

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Fugaz

- Ei, fica aqui comigo mais pouco. Um teco de nada, vai?
- Me desculpa, não dá.
- Ué, por que não?

(...)

- O trem...tá passando.
- É, tudo passa.

Até o amor.